Com a mesma medida

A projeção é uma transferência involuntária do nosso próprio comportamento para outras pessoas, dando-nos a impressão de que determinadas características estão presentes nos outros. Quando sofremos de ansiedade no que diz respeito às nossas emoções ou partes inaceitáveis da nossa personalidade, atribuímos esses aspectos – como um mecanismo de defesa – a objetos exteriores a nós ou a outras pessoas. Quando somos intolerantes com as outras pessoas, por exemplo, estamos inclinados a atribuir nosso sentimento de inferioridade a elas. Evidentemente, há sempre um “gancho” que favorece nossa projeção. Alguma qualidade imperfeita em outra pessoa ativa uma parte de nós mesmos que quer nossa atenção. Dessa forma, tudo o que não assumimos em relação a nós mesmos projetamos em outras pessoas.

Só percebemos aquilo que somos. Gosto de pensar nisso em termos de energia. Imagine que existem cem diferentes tomadas de luz em seu peito. Cada tomada representa uma qualidade diferente. As que nós conhecemos são envolvidas por uma chapa de proteção. Estão seguras: nenhuma eletricidade vai escapar dali. Mas as qualidades que não consideramos boas, que ainda não assumimos, têm uma carga. Assim, quando surgem outras pessoas que representam uma dessas qualidades, elas se conectam diretamente a nós. Por exemplo, se negarmos nossa raiva ou nos sentirmos mal com ela, atrairemos gente zangada para nossa vida. Abafaremos nossos próprios sentimentos de raiva e criticaremos as pessoas que consideramos coléricas. Já que mentimos para nós mesmos sobre nossos sentimentos, o único meio de encontrá-los é vê-los nos outros. As outras pessoas refletem as emoções e os sentimentos que escondemos, o que nos permite reconhecê-los e recuperá-los.

Instintivamente, nós recuamos diante de nossas projeções negativas. É mais fácil examinar aquilo que nos atrai do que aquilo que nos causa aversão. Se fico aborrecido com sua arrogância, é porque não estou assumindo a minha própria. Isso também é arrogância, que agora estou demonstrando sem perceber, ou a arrogância que renego, a qual serei capaz de demonstrar no futuro. Se fico aborrecido com a arrogância, preciso examinar bem de perto todos os recantos da minha vida e me perguntar o seguinte: no passado, quando fui arrogante? Estou sendo arrogante neste momento? Pode acontecer que eu me comporte com arrogância no futuro? Com certeza eu estaria sendo arrogante se respondesse não a essas perguntas sem me examinar com cuidado ou sem perguntar a outras pessoas se alguma vez me viram agindo com arrogância. O ato de julgar alguém é arrogante; portanto, evidentemente, todos temos a capacidade de ser arrogantes. Se eu incorporar minha própria arrogância, não me aborrecerei com a dos outros. Vou percebê-la, mas ela não me afetará. A tomada da minha arrogância estará envolvida por uma chapa de proteção. Só quando você mente para si mesmo ou odeia alguma característica sua é que recebe uma carga emocional originada do comportamento de outra pessoa.

Debbie Ford

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s