Nas asas do amor

nas-asas-do-amorUma pessoa tem de começar não amando a si mesma… porque você não sabe quem você é. Quem você vai amar? Se começar a amar a si mesmo, você amará apenas o seu ego, que não é o seu eu, que é a sua falsa personalidade.

E quase todos amam sua personalidade, todos amam seu ego. Mesmo a mulher mais feia, se você lhe disser: “Como você é linda”, não se recusará a aceitar isso.

Ouvi contar: dois velhos se encontraram numa esquina. “Onde você esteve nestes dois últimos meses?” “Na prisão”, responde o segundo homem. “Na prisão? Como é possível?”, diz o primeiro homem. O segundo responde: “Bem, há dois meses eu estava parado numa esquina e uma linda garota apareceu correndo com um policial e disse: ‘Ele é o homem, oficial. Foi ele que me atacou’. E você sabe, eu me senti tão lisonjeado que admiti”.

Quantas coisas você tem admitido que sabe perfeitamente bem não serem verdadeiras? As pessoas dizem que você é tão amoroso, tão sincero, tão verdadeiro, tão lindo, tão honesto, e você nunca nega isso. Esse não é o amor sobre o qual tenho falado.

Sim, eu gostaria que você amasse a si mesmo, porque, a menos que você ame a si mesmo, não pode amar a ninguém mais. Você não sabe o que é o amor se não amar a si mesmo. Mas antes que possa amar a si mesmo, você tem de conhecer a si mesmo. Assim, amar é consequência; a meditação é primeiro passo.

E o milagre é que, se você meditar e lentamente sair de seu ego, sair de sua personalidade e conhecer seu verdadeiro ser, o amor virá por si mesmo. Você não precisa fazer nada, é um florescimento espontâneo. Mas ele floresce apenas num certo clima, e esse clima eu chamo de meditação.

Na atmosfera do silêncio, da não-mente, de nenhuma perturbação interior, de absoluta clareza, paz e silêncio, de repente você verá que milhares de flores se abriram dentro de você. E a fragrância delas é amor.

Naturalmente, primeiro você amará a si mesmo, porque esse será o seu primeiro encontro. Primeiro você ficará consciente da fragrância que está surgindo em você e da luz que nasceu em você e da bênção que está banhando você. Então, amar se tornará a sua natureza. Você amará muitos, você amará todos.

Na verdade, o que conhecemos em nossa ignorância é um relacionamento, e o que conhecemos em nossa consciência não é mais um relacionamento. Não é que eu ame você; é que eu sou amor. Você tem de entender a diferença.

Quando você diz “eu amo você”, e os outros? E a existência toda? Quanto mais estreito for o seu amor, mais pressionado será. Suas asas são cortadas; não pode voar ao céu em direção ao sol; não tem liberdade; quase está numa gaiola dourada. A gaiola é linda, mas dentro da gaiola o pássaro não é o mesmo que você vê no céu abrindo as asas.

O amor tem de se tornar não um relacionamento, não um estreitamento, mas um alargamento. O amor tem de se tornar sua própria qualidade, seu próprio caráter, seu próprio ser, sua radiância. Assim como o sol não irradia luz para alguém em especial, sem endereçar, a meditação irradia amor sem endereço.

Obviamente, primeiro ele é sentido dentro de você mesmo, para você mesmo, e então começa a irradiar por todos os lados. Então você não só ama os seres humanos; você ama as árvores, ama os pássaros, você simplesmente ama; você é amor.

Osho

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s